Acompanhe as nossas novidades

Os primeiros quatro meses do ano registaram um aumento de 13,7% das insolvências face ao mesmo período do ano passado. O mês de abril foi aquele que contribuiu em menor escala para este valor, registando um decréscimo de -1,5% nas insolvências face ao período homólogo.
 
Em termos de dimensão, nestes quatro primeiros meses do ano, foi no segmento das microempresas que se verificou o maior número de insolvências, 67%. Por outro lado, relativamente à longevidade, foi nas empresas com uma década, ou mais, de vida que se registou o maior número de insolvências, 53% nos primeiros quatro meses de 2024.
 
O Porto voltou a ser o distrito que registou o maior número de insolvências – 235, o que representa um crescimento em 44% face ao período homólogo-, seguido pelo distrito de Lisboa que registou um aumento de 19% face ao primeiro quadrimestre do ano passado, ao registar 155 insolvências em 2024.
Allianz Trade, a líder mundial de Seguro de Crédito e a Inclusive Brains, uma start-up francesa que desenvolve uma nova geração de interfaces neuronais alimentadas por Inteligência Artificial (IA) generativa, estabeleceram uma parceria para desenvolver o Prometheus, um novo tipo de interface cérebro-máquina que transforma diversos dados neurofisiológicos (ondas cerebrais, atividade cardíaca, expressões faciais, movimentos oculares) em comandos mentais. O objetivo desta tecnologia de assistência inovadora é ajudar as pessoas que já não podem utilizar as mãos ou falar a operar estações de trabalho, objetos interligados e a navegar em ambientes digitais sem a necessidade de escrever num teclado, tocar num ecrã ou utilizar comandos vocais. Eventualmente, a parceria entre a Allianz Trade e a Inclusive Brains irá acelerar o desenvolvimento de soluções de assistência baseadas em IA que dão às pessoas com deficiência mais autonomia e facilitam o seu acesso à educação e ao mercado de trabalho.
Nadine Accaoui, Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da COSEC, é uma das entrevistadas na secção Fórum dos Líderes, publicado no anuário Quem é Quem? no Sector Segurador em Portugal 2024, do Jornal Económico.

O número de empresas insolventes em Portugal cresceu  19,5% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo.

Em termos de dimensão, foi no segmento das microempresas que se verificou o maior número de insolvências, 67% no primeiro trimestre de 2024. Por outro lado, e em termos de longevidade, foi nas empresas com uma década, ou mais, de vida que se registou o maior número de insolvências, 52% nos primeiros três meses de 2024.

Geograficamente, o Porto foi o distrito que registou o maior número de insolvências – 182, o que representa um crescimento em 42% face ao período homólogo-, seguido pelo distrito de Lisboa que registou uma subida de 34% face ao primeiro trimestre do ano passado, ao registar 120 insolvências em 2024.

2023, um ano recorde em termos de prazos de pagamento globais e necessidades de financiamento das empresas.

·         WCR global aumentou em +2 dias para 76 dias em 2023, pelo terceiro aumento consecutivo.

·         O DSO global aumentou em +3 dias para 59 dias em 2023, o maior salto desde 2008.

·         De acordo com a Allianz Trade, uma queda de -1pp na rendibilidade poderia aumentar os prazos de pagamento em mais de +7 dias para as empresas europeias.

Allianz Trade lançou o seu mais recente relatório sobre os Dias de Vendas Pendentes (DSO, na sigla em inglês) e as Necessidades de Fundo de Maneio (WCR, na sigla em inglês) a nível mundial. Neste documento, a principal seguradora de crédito do mundo analisa a evolução das condições de pagamento e das necessidades de financiamento das empresas em 2023, com uma abordagem global, regional e por setores.

Em 2023, a Allianz Trade, líder mundial em Seguro de Crédito, tornou-se no único acionista da COSEC, o que faz com que a Companhia se torne num membro de pleno direito do grupo Allianz.

Neste sentido, e dando mais um passo na nossa integração, alterámos o nosso site, adotando um design mais moderno.

Ainda que tenhamos uma nova identidade digital, pode estar certo de que há coisas que não mudam: a dedicação das nossas equipas, a nossa paixão, o nosso professionalismo e, acima de tudo, o nosso empenho em ajudar os nossos Clientes a crescer em segurança. Por isso, vamos continuar a oferecer as melhores soluções para a sua empresa, graças ao profundo conhecimento que temos do mercado português, fruto de mais de 50 anos de atividade. Conte connosco hoje, como contou ontem.

A Allianz Trade lança a Allianz Trade pay, uma nova gama de serviços totalmente dedicada ao e-commerce B2B.

  • A Allianz Trade pay é uma solução de pagamento com uma gama de serviços dedicada às atividades de e-commerce B2B, que inclui uma proteção de seguro de crédito, um módulo de fraude, uma solução integrada para o consumidor digital e uma solução de financiamento instantâneo através de uma das nossas instituições financeiras parceiras.
  • A Allianz Trade pay traz simplicidade, segurança, flexibilidade e competitividade ao ecossistema do e-commerce graças a produtos completos e fáceis de configurar.

A Allianz Trade divulgou o seu mais recente Relatório Global de Insolvências e revelou as previsões atualizadas para 2024 e 2025. De acordo com a principal seguradora de crédito do mundo, após duas recuperações graduais em 2022 (+1%) e 2023 (+7%), as insolvências globais preparam-se para acelerar novamente em 2024 (+9%) antes de estabilizar em 2025 (0%) em níveis elevados.

Serviços, construção, retalho e têxteis deverão continuar a ser os setores mais afetados em 2024 em Portugal.

Portugal manteve com sucesso um nível baixo de casos até 2022, com menos de 2.000 casos anuais, marcando o nível mais baixo em 15 anos. As insolvências observadas entre 2020 e 2022 foram reduzidas em vários países devido aos apoios do Estado às empresas no cenário de pandemia de Covid-19. Em comparação com os níveis de 2016-2019 é possível perceber que, entre 2020 e 2022, as medidas de apoio pouparam o equivalente a três quartos das insolvências em países como os EUA, a Alemanha, Áustria, Noruega, Portugal e Nova Zelândia. Neste contexto, esperava-se uma "normalização" em 2023 com o fim das medidas de apoio em alguns países e num cenário de procura mundial mais fraca, pressão prolongada sobre a rentabilidade devido ao aumento dos custos de produção e de financiamento.